Connect with us

Novo Brasil Online

Witzel se envolveu em esquema de corrupção no Rio quando ainda era juiz federal

JUSTIÇA

Witzel se envolveu em esquema de corrupção no Rio quando ainda era juiz federal

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, já recebia dinheiro para fazer parte de esquema de corrupção quando era juiz federal.

A denúncia foi feita na delação premiada do empresário Edson Torres à Procuradoria-Geral da República.

Nela, Torres afirma que, depois de a Operação Lava Jato avançar sobre o grupo do ex-governador Sergio Cabral, os empresários que esquematizavam a corrupção começaram a procurar novos rostos para voltar ao poder. Foi assim que chegaram a Witzel, ainda em 2017.

Após várias reuniões, ficou acertado entre Torres e o Pastor Everaldo, presidente do PSC e “padrinho” político do governador afastado,  que Witzel receberia R$ 980 mil em cinco parcelas, para ter “conforto” e “segurança”, já que seria obrigado a largar o cargo e o salário de juiz federal para se candidatar.

A última prestação do dinheiro foi paga em abril de 2018. Wilson Witzel se elegeu em novembro daquele mesmo ano.

A partir daí, foi criado uma “caixinha da propina” na Secretaria de Saúde, com a cobrança de 3% a 7% dos totais dos contratos fechados. O dinheiro conseguido era dividido entre Edson Torres, o ex-secretário de Saúde Edmar Santos, o doleiro Victor Hugo Cavalcante e 40% do lucro das operações ilegais eram “rachados” entre Witzel e Everaldo.

Tanto o governador afastado quanto o presidente do PSC negam qualquer envolvimento no esquema de corrupção.

Comentários
Continuar Lendo
Advertisement
Recomendamos para você..
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em JUSTIÇA

Em Alta

Estamos no Twitter

BRASIL

To Top